29 maio, 2024

Em entrevista à CBN, André Puccinelli ameaça desistir de ser pré-candidato

Durante entrevistas à Rádio CBN Campo Grande e ao Jornal Correio do Estado, o ex-governador André Puccinelli (MDB) disse que aguarda até o fim do mês de maio para bater o martelo sobre disputar ou não o pleito do próximo dia 6 de outubro.

Ou seja, ele já ameaça “amarelar” novamente de uma eleição para a Prefeitura de Campo Grande, alegando que o MDB de Mato Grosso do Sul está sem recursos e que terá de recorrer à Executiva nacional.

Na entrevista Puccinelli revelou que nos próximos dias terá uma reunião, em Brasília (DF), com o presidente nacional do partido, deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP), para alinhar a liberação de recursos para a campanha eleitoral para prefeito de Campo Grande.

“Eu e o presidente estadual do MDB, o ex-senador Waldemir Moka, teremos essa reunião com o Baleia Rossi para definir o montante de recursos que serão destinados para a minha campanha eleitoral a prefeito da Capital”, declarou o político, que já administrou Campo Grande por dois mandatos.

O ex-governador ressaltou que ele e Moka vão combinar com Baleia Rossi uma data para a liberação dos recursos necessários para a realização da campanha eleitoral.

“Vou explicar ao presidente nacional do MDB que preciso de uma quantia x para fazer a campanha eleitoral e que posso aguardar somente até o fim do mês de maio, caso contrário não vou concorrer. Sem recursos, é melhor ir pescar e cuidar dos netos”, assegurou.

Em outro momento, André garantiu, ainda, que não vai “amarelar” nesse pleito. Vai manter a sua pré-candidatura até o fim.

Caso André Puccinelli volte a “amarelar”, não será a primeira vez, pois em 2002, quando a situação se afunilou, ele abriu mão da candidatura para Marisa Serrano disputar o Governo do Estado, que foi derrotada para Zeca do PT.