Pecuária leiteira de Mato Grosso do Sul terá planejamento para estimular cadeira de produção

Em virtude dos problemas enfrentados pelo setor leiteiro, incluindo rentabilidade e problemas de liquidez, a pecuária leiteira terá um planejamento para estimular a produção. De acordo com o governo de Mato Grosso do Sul, as medidas incluem desde melhoramento genético do rebanho até apoio à pesquisa e inovação, e chega à industrialização dos produtos.

A afirmação foi feita pelo secretário-executivo de Desenvolvimento Econômico Sustentável da Secretaria e Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação (Semadesc), Rogério Beretta, que participou nesta terça-feira, dia 4, da abertura do 2° Seminário Estadual do Leite, realizado na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul. A realização é da Frente Parlamentar do Leite, Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Mato Grosso do Sul e Semadesc.

“Junto com a Câmara Setorial do Leite já apresentamos ao governador Eduardo Riedel e ao secretário Jaime, uma proposta de um plano de fomento à pecuária leiteira, chamado Proleite e este plano traz uma série de programas e ações que visam melhorar a situação do setor”, explicou Rogério Beretta.

Mairinco de Pauda/Portal MS

Pecuária leiteira terá planejamento para estimular cadeira de produção

Rogério Beretta, secretário-executivo da Semadesc, durante debate sobre a cadeira produtiva do leite

O secretário-executivo da Semadesc ainda salientou que o Proleite prevê incentivos, programas de melhoramento genético, assistência técnica, ações tributárias, apoio a pesquisa e inovação tecnológica e também na industrialização. A ideia é que o Plano seja apresentado ainda neste mês.
Durante o encontro que reuniu os deputados estaduais, setor produtivo e empresários do segmento lácteo , os participantes debateram os desafios que a atividade enfrenta no Estado e as perspectivas futuras.

Mato Grosso do Sul possui mais de 80 laticínios, sendo que mais de 70% da captação é por inspeção estadual e federal, sendo apenas uma de leite UHT. A maioria da produção é voltada para a fabricação de queijos, majoritariamente o mussarela, que representa mais de 45% do volume produzido mensalmente. Há pequenas indústrias com inspeção municipal responsáveis pela produção de queijos.

Atualmente, o Estado tem 12 mil produtores de leite, aproximadamente, que fornecem mais de 90% do leite para as indústrias do Mato Grosso do Sul e parte para o Paraná e São Paulo.O setor leiteiro tem três polos de produção de leite, localizados nas regiões Leste, Central e Sul, com 30 municípios representando mais de 68% da produção do Estado.