Quase 700 quilos de lixo são retirados dos rios Miranda e da Prata

Em dois dias de limpeza, a força-tarefa do Instituto Homem Pantaneiro (IHP) em conjunto com o Instituto Guarda Mirim Ambiental (IGMA) de Jardim, com o apoio da Polícia Militar Ambiental, tirou quase 700 quilos de lixo dos rios Miranda e da Prata, este último considerado como um dos mais cristalinos de Mato Grosso do Sul. Os dois rios, além de serem importantes para a natureza, causam impacto direto no Pantanal.

A limpeza ocorreu no trecho do Rio da Prata, entre Jardim e Bonito, e no Rio Miranda, na região entre Jardim e Guia Lopes da Laguna, entre os dias 21 e 22 deste mês. A mobilização foi feita dentro também de uma programação alusiva ao Dia Mundial da Água comemorado nessa sexta-feira.

Divulgação/IHP

Limpeza no Rio da Prata e Rio Miranda

Força tarefa ocorreu em alusão ao Dia Mundial da Água

Além do trabalho de limpeza dos rios, houve também palestra sobre a importância da conservação de nascentes e que envolveu 120 crianças que vivem em Jardim. O biólogo no IHP, Sérgio Barreto, foi quem atuou diretamente na atividade de sensibilização ambiental e acompanhamento da limpeza dos dois rios.

“Todo os 700 quilos de lixo vão ser separados para haver a correta destinação. Encontramos latas, vidros, fios, peças automotivas, madeira. Essa foi uma campanha que começou com uma palestra, depois fomos para o rio da Prata, depois o rio Miranda”, explicou Sérgio.

Como houve a visita dos jovens na região de início do curso do rio Miranda, o biólogo ainda detalhou na educação ambiental como diferentes medidas estão favorecendo para a redução do nível de água do local, bem como o seu assoreamento.

“Pelo programa Cabeceiras do Pantanal, nós no IHP temos recebido os relatos e observado a partir de monitoramentos a perda de profundidade que o rio Miranda vem sofrendo. Esse rio é um dos importantes tributários do rio Paraguai. As crianças puderem ver os bancos de areia que foram formados, falta de mata ciliar. Locais onde o nível do rio já foi de 2 metros e hoje está em centímetros.”

O coordenador do IGMA, Nisroque da Silva Soares, explicou que os sinais de problema no rio Miranda são encontrados próximo de local de captação de água para abastecimento de Jardim. “Na praia Marli, perto da estação de captação de água, onde já houve uma área grande de banho para moradores de Jardim e região, era fundo e banhistas chegavam a usar árvores para poder pular no rio. Hoje em dia, você consegue atravessar a pé de uma margem para outra. O nível da água está na canela.”

Durante toda esta semana que envolve o Dia Mundial da Água, as crianças do projeto Cuidar é Preciso ainda participaram de plantio de mudas às margens do rio Miranda, têm roda de conversa com a Polícia Militar Ambiental e plantio no córrego urbano Imbaúba. Também apoiaram a iniciativa Amigos do Prata, Vida ao Prata, Recanto Ecológico Rio da Prata, Ecopark, Santuário do Prata.