Associação de Cronistas Esportivos de Mato Grosso do Sul solicita à FFMS que sejam realizadas melhorias urgentes no Estádio Sotero Zarate em Sidrolândia

Depois de vários cronistas esportivos ficarem sem trabalhar, por causa da condição precária dos locais reservados para o trabalho dos cronistas esportivos no Estádio Sotero Zarate em Sidrolândia, a Associação de Cronistas Esportivos de Mato Grosso do Sul (ACEMS) solicitou à FFMS que sejam realizadas melhorias urgentes nos estádios, através de uma nota.

Confira a nota na integra:

A Associação de Cronistas Esportivos de Mato Grosso do Sul (ACEMS) solicita à FFMS que sejam realizadas melhorias urgentes no Estádio Sotero Zarate em Sidrolândia, devido à falta de condições de trabalho e insalubridade do local.

O referido estádio não possui portas nas cabines de imprensa, apresenta vazamentos de água de chuva no telhado e sistema elétrico, causando alagamentos e curtos circuitos.

A condição precária dos locais reservados para o trabalho dos cronistas esportivos tem colocado a integridade física destes profissionais em risco e já houve casos de perda de equipamentos que ficaram literalmente dentro d`água e foram totalmente danificados. Havendo o perigo de que alguém seja eletrocutado devido à precariedade do sistema elétrico das cabines de rádio.

Salientando que tanto as autoridades da Prefeitura de Sidrolândia quanto da Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul têm ciência da situação e nada foi feito para corrigir a falha.

No Estádio Arthur Marinho, em Corumbá, a falta de ar condicionado ou outro sistema de refrigeração nas cabines torna quase impossível a utilização dos locais destinados aos cronistas esportivos. É sabido que a cidade é uma das mais quentes do Brasil e neste período a temperatura chega a ultrapassar os 40 graus centígrados. Lembramos que no Arthur Marinho existia ar condicionado nas cabines, mas foram retirados.

Já no Estádio Jacques da Luz em Campo Grande, há a necessidade da colocação de vidros nas cabines e a implantação de ar condicionado para o conforto e segurança dos cronistas esportivos. Salientando que a ACEMS se propôs a doar o aparelho e ar condicionado, mas a Prefeitura de Campo Grande alegou que não tem como garantir que o aparelho não seja furtado ou danificado por vândalos.

Informamos ainda que é comum a falta de uma pessoa responsável para abrir o Jacques da Luz para dar acesso aos cronistas que precisam trabalhar nas transmissões esportivas, o que acaba causando prejuízo para o trabalho das emissoras e seus profissionais.

Sem mais, aguardamos providências.

José Antonio Coca

Presidente da ACEMS

Campo Grande, 18 de março de 2024.