Abate de bovinos está em crescimento, enquanto de frangos e suínos atingiram recordes

O abate de bovinos seguiu em crescimento em 2023 e chegou a 34,06 milhões de cabeças, um aumento de 13,7% em relação a 2022, dando sequência à tendência de crescimento verificado no ano anterior, os dados são das Estatísticas da Produção Pecuária, divulgadas nesta quinta-feira (14/3) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Em termos de cabeças abatidas, este é o segundo maior resultado da série história da pesquisa, atrás apenas do registrado em 2013. Porém a produção de 8,95 milhões de toneladas de carcaças foi recorde. Já os abates de frangos e suínos atingiram recordes em suas séries, totalizando 6,28 bilhões e 57,17 milhões de cabeças, respectivamente.

No quarto trimestre, foram abatidas 9,15 milhões de cabeças de bovinos, aumento de 21,3% na comparação anual e de 1,8% se comparado ao trimestre imediatamente anterior. Os números mostram também que o abate de frangos atingiu o recorde da série histórica, com 6,28 bilhões de cabeças, um aumento de 2,8% em relação ao ano de 2022, superando o recorde atingido em 2021. No último trimestre, com 1,53 bilhão de cabeças de frangos abatidas, houve queda de 2,2% em relação ao mesmo período de 2022 e de 3,2% comparado ao terceiro trimestre de 2023.

Enquanto isso, o número de cabeças de suínos abatidas em 2023 foi de 57,17 milhões, superando em 1,3% o resultado de 2022 e atingindo mais um recorde na série histórica. No 4º trimestre, foram abatidas 14,15 milhões de cabeças, aumento de 1,1% em relação ao mesmo período de 2022 e queda de 3,4% na comparação com o 3° trimestre de 2023.

No ano de 2023, Mato Grosso continuou liderando o ranking das UFs do abate de bovinos, com 17,4% da participação nacional, seguido por Goiás (10,4%) e São Paulo (10,1%). No abate de frangos, o Paraná seguiu com ampla liderança, com 34,3% de participação, seguido por Santa Catarina (13,4%) e Rio Grande do Sul (12,5%). Para suínos, Santa Catarina manteve a liderança, com 29,5% do abate nacional, seguido por Paraná (21,2%) e Rio Grande do Sul (17,0%).