Defesa Civil de MS vai atuar para combater focos de dengue na divisa com PR e SP

Com atuação conjunta, programada para a próxima semana, a Cepdec (Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil) vai trabalhar no combate à dengue em 14 municípios de Mato Grosso do Sul que fazem divisa com os estados do Paraná e São Paulo.

A força-tarefa concentra esforços nas ações mecânicas para combate aos focos do mosquito ‘Aedes aegypti’ – que transmite dengue, zika, chikungunya e outras doenças –, a partir de segunda-feira (19), em seis cidades na divisa com o Paraná e outras oito na divisa com São Paulo.

Os municípios de Três Lagoas – na divisa com São Paulo – e Mundo Novo – na divisa com o Paraná – serão prioritários. A Cepdec prevê expandir a ação, para atender mais dois municípios que fazem divisa com Minas Gerais.

“Fizemos reuniões por videoconferência com os estados do Paraná e São Paulo, estamos cogitando incluir Minas Gerais na ação conjunta. Vamos atuar nos municípios que fazem divisa com estes estados com orientação e limpeza pública. Tudo com o apoio das Defesas Civis municipais e prefeituras”, disse o capitão Maxwelbe Moura, chefe do Departamento de Riscos e Desastres da Cepdec.

A orientação sobre os sintomas da dengue, é outro foco da ação nos municípios localizados na divisa com SP e PR. “A gente sabe que mais de 80% dos focos de proliferação do mosquito estão dentro das residências e terrenos. Além disso, é importante orientar quanto aos sinais e sintomas de dengue, zika e chikungunya. As pessoas ainda confundem muito com a gripe”, disse o capitão da Defesa Civil Estadual.

Além deste trabalho, a SES (Secretaria de Estado de Saúde) com o apoio da Coordenadoria, deve iniciar até o mês de março, uma operação envolvendo as Forças Armadas – Exército, Marinha e Aeronáutica –, para extinção dos criadouros do mosquito, que se prolifera em água parada.

A ação integrada vai ocorrer também em Campo Grande, com a cedência de 100 agentes para que o município consiga expandir o trabalho nas áreas prioritárias. “Principalmente os estão os principais focos, para que haja uma atenção maior nos bairros com mais proliferação do mosquito e casos de pessoas doentes”, disse o capitão Maxwelbe.

Ações de combate

“Eliminar recipientes com água, dentro de fora de casa, é a principal medida para evitar a proliferação do mosquito e com isso a doença. Cuide do seu quintal, limpe a casa, descarte o lixo da forma correta, para que não tenha água parada em latas, garrafas e outros recipientes. É importante ficar atento e sempre vistoriar seu quintal, sem esquecer da parte de dentro da residência”, afirmou Mauro Lúcio Rosário, coordenador estadual de controle de vetores da SES.

É dentro das residências que estão 80% dos focos de proliferação do mosquito ‘Aedes aegypti’, e por isso a SES alerta a população, para que contribua nas ações de controle e extinção dos criadouros.

O Ministério da Saúde divulgou que para combater os focos do mosquito bastam dez minutos da rotina de acordo com a realidade de moradia de cada um. Dez minutos é o tempo necessário para garantir que caixas d´água estejam bem fechadas, para jogar areia nos vasos de planta, garantir que os sacos de lixo estejam bem amarrados, conferir calhas, evitar pneus em locais descobertos, não acumular sucatas e entulhos e esvaziar garrafas PET, potes e vasos de maneira correto.

Enquanto estados que fazem divisa com o Mato Grosso do Sul decretaram situação de emergência – Goiás e Minas Gerais, além do Acre e Distrito Federal –, a preocupação da SES é para que a população faça a eliminação de possíveis criadouros do mosquito.

“Estamos acompanhando a situação no Brasil, que é de emergência em alguns dos estados vizinhos ao Mato Grosso do Sul. Por isso a necessidade de alerta, para que as pessoas eliminem água parada em suas casas. O trabalho mecânico, fazendo a limpeza das residências e terrenos, é essencial para a gente tentar evitar um problema maior”, explicou a secretária-adjunta da SES, Crhistinne Maymone.

A necessidade de eliminação de focos nas casas é urgente e se faz necessária diariamente, pois o ciclo de reprodução do mosquito – que além de dengue e chikungunya, também transmite zika, e outras doenças –, é rápido, de aproximadamente oito dias.

Natalia Yahn, Comunicação Governo de MS
Fotos: Divulgação / Governo de MS