Casal que matou criança na Capital aguarda por audiência de custódia

Deve passa por audiência de custódia no sábado (27) o casal responsável pela morte de uma criança de dois anos em decorrência de uma série de espancamento e agressões. O caso veio à tona na noite de quinta-feira (26), quando a mãe levou a vítima já sem vida para atendimento na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), e chocou a sociedade pela brutalidade e covardia com que foi cometido, além da omissão da Justiça e dos órgãos competentes.

Nesta sexta-feira (27), após o depoimento do casal, policiais da Depca (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente), juntamente com a Polícia Científica, estiveram na residência do casal, no bairro Vila Nasser, em Campo Grande, onde ficaram por cerca de duas horas realizando a perícia e recolhendo objetos que podem ser usados como prova das agressões e maus-tratos relatados pelo pai biológico da vítima, além de outras testemunhas, como familiares e vizinhos.

Entre os objetos apreendidos está um HD, a investigação apura a possibilidade do padrasto ter estuprado a enteada ou até mesmo ter produzido vídeos dela para compartilhar na internet. Além dos três, outras duas crianças, sendo uma de cinco anos que é filho somente dele,  e um recém-nascido de seis meses filho do casal, também moravam na casa. As crianças ficavam sempre com o homem durante o dia enquanto que a mãe saia para trabalhar.

Delegada diz que o casal pretendia mentir sobre as lesões na menina

Casal que matou criança na Capital aguarda por audiência de custódia
Delegada Anne Karine Sanches Trevizan, títular da DEPCA (Foto: Reprodução)

Antes de serem presos pelo assassinato da menina, a mãe e o padrasto combinaram uma justificativa para os sinais de violência evidentes em todo o corpo da vítima. O casal pretendia dizer que a criança havia caído de um brinquedo alto dentro de um playground, entretanto, os próprios médicos e enfermeiros, ao constatar o óbito, evidenciaram que as marcas não eram de uma simples queda, mas decorrente de agressões físicas de longa data.

A delegada Anne Karine Sanches Trevizan, títular da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente) e responsável pelo caso, disse em coletiva de imprensa que tanto o padrasto quanto a mãe da criança não demonstraram arrependimento e foram muito frios ao responderem e confessarem as agressões praticadas contra a vítima ao longo dos últimos meses. O Conselho Tutelar e a própria delegacia já haviam investigado o casal e o caso levado à Justiça em 2022.

O histórico na Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) aponta que foram mais de 30 vezes que a menina esteve em atendimento médico em diferentes unidades de saúde da cidade em decorrência de lesões e ferimentos provocados pela violência do casal, em especial do seu padrasto, que chegou até mesmo a celebrar quando a morte da enteada aconteceu, segundo disseram os vizinhos. Em uma dessas vezes em que foi buscar pelo médico no posto, a criança tinha fraturado a tíbia.

A mãe disse, na sua versão, que o marido tinha o costume de bater na filha, mas como forma de correção e que permitia isso. Ainda segundo ela, a filha estava passando mal desde a noite de quarta-feira (25), reclamando de dores na barriga e que demorou para procurar por ajuda médica por orientação dele, que a recomendou esperar a criança melhorar. Quando decidiu levar à Unidade de Pronto Atendmento (UPA), a menina já estava morta.

A polícia apontou também que o padrasto tem o perfil de uma pessoa violenta, inclusive, com histórico e denuncias de violência doméstica feito pela sua ex-esposa. Os vizinhos da família disseram à imprensa que era muito comum ver todas as crianças chorando diariamente, além de gritos de broncas e barulhos de chineladas, entretanto, jamais acreditaram que fosse algo tão terrível ao ponto do que está sendo revelado agora.

A delegada detalhou na coletiva que o pai biológico da menina estava tentando a guarda, além disso, ele mesmo chegou a fazer duas denúncias contra o padrasto por violência e maus-tratos ao ver, por mais de uma vez, lesões no corpo da menina. O primeiro registro feito foi no dia 31 de dezembro de 2021, quando encontrou hematomas e indagou a ex-esposa que alegou que a menina tinha sido arranhada por um gato ou que então que tinha caído ao brincar com os irmãos.

No dia 21 de novembro de 2022 o pai voltou a procurar a DEPCA, na oportunidade, a criança quebrou a perna sob a justificativa da mãe de que tinha caído dentro do banheiro. Neste caso, a criança chegou a ser ouvida por psicólogos na delegacia e foi pedido exame de corpo de delito. Tudo isso foi parar na Justiça, mas o processo não avançou até então.

O pai da vítima, que atualmente é casado com outro homem, disse que o padrasto não gostava dele por conta do seu relacionamento e que a ex-esposa, com quem foi casado durante três anos e há um estava separado, também não permitia que ele ficasse com a guarda da filha por preconceito. A própria visita só foi possível depois que entrou na Justiça.

O padrasto e a mãe estão presos e aguardam pela audiência de custódia para saber se serão encaminhados para presídios ou se poderão aguarda a conclusão do inquérito em liberdade. Quanto à investigação, a delegada informou que aguarda pela confirmação da causa da morte, que será apontada pelos exames do Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal).

O caso

Padrasto e mãe, 25 e 24 anos, foram presos em flagrante, na noite de quinta-feira (26) pelo crime de homicídio qualificado por motivo fútil acusados de espancar e matar a filha, de apenas dois anos e sete meses de idade, em Campo Grande. A criança deu entrada, morta, na Unidade de Pronto Atendimento do Bairro Coronel Antonino.

De acordo boletim de ocorrência, a menina foi levada ao posto de saúde pela mãe com várias lesões pelo corpo, mais precisamente, nas costas, no braço, joelho, olho e também um inchaço ao ombro esquerdo, além de estar com abdômen inchado. As médicas plantonistas fizeram o atendimento e constataram que a criança já estava sem vida, inclusive com início de rigidez cadavérica, calculando que a morte poderia ter ocorrido a cerca de quatro horas antes.

Diante do caso, a polícia foi acionada, sendo informado ainda pelas médicas que estranharam a calma e tranquilidade da mãe, após receber a notícia do óbito da filha. “Apenas veio a demonstrar nervosismo, quando informada que seria acionada a polícia”, relatou uma das médicas.

Ainda de acordo com registro policial, a mãe negou em primeiro momento as agressões, mas depois mudou a versão passando a contar que trabalhava o dia todo e que seu marido, cadastro da criança, cuidava da menina e que ele dava tapas e socos para “corrigi-la”. Ao final, também, a mulher acabou confessando que batia na própria filha.

Em diligência, no endereço do casal, na Vila Nasser, o homem foi preso. Ele relatou que havia agredido fisicamente a menina há cerca de três dias atrás.

O delegado Pedro Henrique Pillar Cunha, plantonista da Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Centro, disse que a suspeita de abuso sexual foi, preliminarmente, descartada pela polícia, porém o casal, foi autuado pelo crime de homicídio qualificado por motivo fútil. A polícia solicitou a prisão preventiva do casal.