MS elevou exportação de minério para US$ 1,3 bilhão neste ano

Mato Grosso do Sul elevou em sete vezes a exportação de minérios (ferro e manganês) nos últimos cinco anos. O valor saltou de US$ 250 milhões em 2018 para US$ 1,3 bilhão no fechamento deste ano. De acordo com Jaime Verruck, Secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), a recuperação do setor começou entre janeiro a dezembro de 2018. De acordo com dados do Ministério da Economia, o Estado exportou US$ 160 milhões de minério de ferro e U$ 90 milhões de manganês.

O resultado no acumulado de cinco anos é de US$ 1,1 bilhão de minério de ferro e US$ 200 milhões de minério de manganês. “Tivemos um crescimento acima da média na exportação de minério, quase sete vezes a mais”, salientou Verruck, lembrando que a mineração é de suma importância para o Estado e para os municípios produtores, no desenvolvimento sustentável e na geração de empregos.

O secretário ressaltou que o Estado passa por um boom de investimento, e particularmente o setor mineral tem previsão de investimentos de R$ 5 bilhões para o biênio de 23/24. “A extração e produção do minério de ferro e manganês terá uma parcela significativa destes recursos, primeiro devido à grande demanda em todo o mundo e segundo por termos a terceira maior região ferrífera do Brasil, depois de Carajás, no Pará, e do Quadrilátero Ferrífero em Minas Gerais. Estes minerais (ferro e manganês) extraídos do Maciço da Reserva de Urucum são de altíssimo teor, e este tipo de minério e muito disputado pelos países importadores”, acrescentou o titular da Semagro.

De acordo com o secretário Executivo da Mineração da Semagro, Eduardo Pereira, Mato Grosso do Sul possui 214 empresas ligadas ao extrativismo mineral, distribuídas por diversos municípios, sendo o Polo Mineiro Ferro-Manganês de Corumbá e Ladário o principal, seguido por Bela Vista, Bodoquena, Miranda e Bonito, na produção de calcários calcíticos e dolomiticos.

Do total das exportações, 81,77% corresponde ao minério de ferro, 16,61% de manganês, 0,85% de calcários e 0,18% de água mineral.  O setor gera mais de 4,3 mil empregos e VPM- Valor Produção Bruta (2017 a 2021), em R$ 265,53 milhões, e o VPM- Valor Produção Beneficiada (2017 a 2021), em R$ 8,18 bilhões, ou seja, a indústria mineral estadual, gera dividendos ao país, ao Estado, aos municípios e gera muitos empregos direto e indiretos nas regiões produtoras.

Rosana Siqueira – Semagro
Foto: Bruno Rezende