Vendas no varejo de MS recuam 3,9% em setembro, maior queda do Brasil

O volume de vendas do comércio varejista sul-mato-grossense recuou 3,9% na passagem de agosto para setembro. O índice de queda é o maior entre os estados da federação.

Conforme dados do IBGE, essa é a segunda queda consecutiva em MS, após maior alta do ano em julho, quando subiu 9,2%. Na série sem ajuste sazonal, as vendas do varejo teve queda de -0,1% frente a setembro de 2020. O acumulado no ano foi a 7,3% e o acumulado em 12 meses, a 7,8%.

“Depois da grande queda de abril do ano passado, início da pandemia, veio uma recuperação muito rápida que levou ao patamar recorde de outubro e novembro de 2020. Depois tivemos um primeiro rebatimento com uma nova queda forte em dezembro e dois meses variando muito próximo do mesmo nível pré-pandemia, até março, mês a partir do qual houve nova trajetória de recuperação. Desde fevereiro de 2020, o setor vive muita volatilidade”, analisa o gerente da PMC, Cristiano Santos.

A vilã: Inflação

Santos explica que a volatilidade tem fatores distintos para cada um dos picos. “Neste último, de setembro de 2021, o fator determinante é a inflação. Isso fica claro quando comparamos a queda no volume e a variação fica estável na receita. O componente que joga o volume para baixo é a inflação. As mercadorias subiram de preço.”

No comércio varejista ampliado, que inclui as atividades veículos, motos, partes e peças e material de construção, o volume de vendas recuou -4,7%, após cair 2,6% no mês anterior. Frente a setembro de 2020, houve alta de 4,2%. No ano, o varejo ampliado acumula alta de 14,4% e, em doze meses, as vendas subiram 13,6%.

Vendas em queda

As vendas caíram em 25 das 27 unidades da Federação na comparação com agosto, mas Mato Grosso do Sul apresentou a maior queda (-3,9%), seguido por Santa Catarina (-3,6%) e Rio Grande do Norte (-3,4%).

Conforme o IBGE, de agosto de 2021 para setembro de 2021, na série com ajuste sazonal, a taxa média nacional de vendas do comércio varejista recuou 1,3%.

Por outro lado, no campo positivo, figuram 2 das 27 Unidades da Federação: Acre (0,4%) e Mato Grosso (0,2%).

Para a mesma comparação, no comércio varejista ampliado, a variação negativa entre agosto e setembro (-1,1%), foi seguida por 23 das 27 Unidades da Federação, com destaque para: Mato Grosso do Sul (-4,7%), Tocantins (-4,0%) e Maranhão (-3,6%). Por outro lado, houve altas em 4 das 27 Unidades da Federação, com destaque para: Pernambuco (2,9%), Ceará (1,3%) e Goiás (1,0%), na passagem de agosto para setembro.